domingo, 24 de julho de 2011

UMA CHANCE APENAS

Por que a ausência,
E tanto desprezo?
Por que a distância e o medo?

Por que não olhar, não falar, o receio de continuar?

A aversão, a repulsa, o julgamento precoce.
Sem chances de explicação, sem tentativas de ao menos.
Dizer que não.
Não era daquela forma, não era daquele jeito...

Por que evitar?
Afastar, se isolar?
Tentativas inúteis de esquecimento.

Se conseguires não lembrar
Não trazer a memória.
A imagem
A voz
De apenas um instante, de tão somente um momento...

E se deixa tudo como está
Não se importando se quem está do outro lado chora, está sofrendo.

Não por uma razão qualquer, não por se sentir anulado.
Mas por não ter sido entendido ou por ter sido mal interpretado

E a dor que fica
E a dor de um julgamento errado, de uma primeira impressão equivocada.
Que não tem volta,
Só o silêncio!

Dá uma oportunidade de explicação.
Uma chance ao menos!

SOL.Sunshine

Nenhum comentário: